Um grupo de monges pobres resolveu aprender as artes da construção para poderem ter o seu mosteiro budista. Aprenderam a colocar tijolos, a usar argamassa e começaram por construir as paredes, tirando partido da paciência que treinavam nas suas práticas. Até que um dia, um deles terminou a sua primeira parede. Quando se afastou para observar o resultado, verificou que dois dos tijolos não estavam alinhados como os outros. Estavam horríveis e tinham arruinado toda a parede. Estava envergonhado! Perguntou se podia deitar abaixo a parede mas não o deixaram.

Quando tinham visitas, fazia de tudo para evitar passar por essa parede. Não queria que ninguém a visse. Até que um dia um visitante viu a parede e disse “Que bonita parede!”. O monge surpreendido perguntou-lhe “Não vê os dois tijolos desalinhados que arruínam a parede?”.

O visitante sorriu e respondeu “Claro que vejo esses dois tijolos…como também vejo todos os outros 998 tijolos”.

Conta o monge que após esta visita percebeu que tinha estado cego para todos os outros tijolos e que se focava somente naqueles dois erros. Percebeu que a parede não estava assim tão má, que até estava bonita. E hoje, 20 anos depois, já nem sabe onde estão esses dois tijolos.

Adaptado e traduzido do livro “Who ordered this truckload of dung?”, Ajahn Brahm