Uma competência “fofinha” que só os melhores têm e que se treina

Venho de um meio onde sempre se valorizou a inteligência lógica. Onde a inteligência emocional é considerada uma coisa meio “esotérica”, uma competência “fofinha” (soft-skills…).

Só que, a partir do momento em que alguém domina as competências técnicas desenvolvidas com a sua inteligência lógica, o que faz realmente diferença nos resultados (e até felicidade…outra coisa meia “esotérica”) é a inteligência emocional.

Hoje vou falar um pouco sobre o que é a inteligência emocional e deixar-lhe um convite para a treinar.

O que é a Inteligência Emocional?

Uma das definições de inteligência emocional é a capacidade para monitorizar as nossas emoções e as dos outros, compreendê-las e usar esta informação para nos guiar os pensamentos e ações.

A boa notícia, segundo Daniel Goleman, é que a inteligência emocional não é inata e pode ser aprendida, ou seja, podemos escolher aprender e praticá-la.

Mas na prática, como é que a inteligência emocional se manifesta?

Segundo Daniel Goleman através de:

  1. Autoconsciência: conhecimento dos nossos estados internos, preferências, recursos e intuições;
  2. Autogestão: com base no conhecimento que a autoconsciência nos traz, somos capazes de gerir os estados internos, impulsos e recursos;
  3. Motivação: tendências emocionais que nos guiam ou facilitam atingir objetivos;
  4. Empatia: termos consciência das emoções, necessidades e receios dos […]

Como criar confiança nos seus clientes

Se as pessoas gostam de si elas o escutarão mas se confiarem em si farão negócios consigo.

Zig Ziglar

Quem trabalha na área comercial reconhece a importância de criar uma relação de confiança com os seus clientes. Para isso é essencial entregar um produto/serviço que traga valor mas também ser capaz de potenciar uma relação de empatia com os clientes.

Todos temos noção de que é mais fácil criar empatia, confiança e influenciar algumas pessoas do que outras. Pode até haver clientes que evita ou procrastina o contacto.

Muitas vezes essa dificuldade está relacionada com diferenças de personalidade, atitude e das coisas que valorizamos e que se refletem no modo como se abordam os clientes e que tipo de argumentos usamos.

As nossas preferências individuais levam-nos a agir e comunicar de um determinado modo e por vezes esse modo pode ser contraproducente.

Há dois tipos de informação que nos podem ajudar neste caminho:

  1. Reconhecer as nossas preferências comportamentais e de comunicação, quais os nossos pontos fortes e como é que algumas dessas preferências, em determinados contextos nos limitam
  2. Reconhecer as preferências comportamentais dos nossos interlocutores e adaptarmos os nossos comportamentos e estratégias de comunicação de modo a “falarmos” a […]

Como alterar os “rótulos” que nos são colocados ao longo do percurso profissional numa empresa de forma a inverter a imagem negativa que os outros têm de nós

Respondendo a uma das perguntas que me fizeram para o blog no âmbito da iniciativa ASKME (deixe-me perguntas para inspirar artigos no blog), vou hoje dar algumas dicas para ajudar a alterar os “rótulos” que nos são colocados ao longo do percurso profissional numa empresa de forma a inverter a imagem negativa que os outros têm de nós.

São necessários 20 anos para construir uma reputação e apenas cinco minutos para destruí-la.

Warren Buffett

Quais são os rótulos? Alucinações ou reais?

Em primeiro lugar, é importante perceber que “rótulos” são esses e distinguir os reais das alucinações.

Uma coisa é aquilo que achamos que os outros pensam de nós (que pode tanto ser verdade como também pode ser uma alucinação) e outra coisa é a impressão que os outros têm e que até já nos deram feedback.

Vou dar-lhe um exemplo de alucinação: uma pessoa acha que o chefe não o acha competente ou de confiança já que o chefe não lhe dá projetos de maior responsabilidade ou não partilha informação. O facto de o chefe não lhe dar projetos de maior responsabilidade ou não partilhar informação não significa necessariamente que não o ache competente ou de confiança. Tantas outras […]

Cursos para o segundo trimestre de 2017

Liderança em Portugal e os 5 comportamentos que desconectam os líderes das suas equipas

Num dos livros do Ken Blanchard, uma das referências mundiais na área da liderança, ele refere que

“Quando os líderes fazem uma diferença positiva,
 as pessoas agem como se fossem donos do negócio e 
trazem o seu cérebro para o trabalho”.

Todos nós já tivemos situações em que demos ou não demos o nosso melhor como consequência dos comportamentos de quem nos liderava.

Hoje falo-lhe de alguns comportamentos que os líderes falham em adotar e peço-lhe ajuda. Gostava de ter uma ideia mais clara sobre esta realidade em Portugal. Para isso peço-lhe que responda a um questionário (rápido, muito rápido já que uma das realidades em Portugal é a falta de tempo).

O impacto da liderança no negócio

A vitalidade de uma organização (sustentabilidade a longo prazo e rentabilidade) depende:

  • Indiretamente da liderança estratégica, ou seja, da visão, cultura e questões estratégicas;
  • Diretamente da paixão das equipas e da devoção dos clientes o que depende diretamente da liderança operacional, ou seja, das políticas e processos, do comportamento dos líderes e da perceção de imparcialidade e justiça.

O impacto dos comportamentos dos líderes é cada vez menos uma coisa que se sente (e até minimiza a importância) e cada vez mais algo cujo […]

Eventos e cursos para o primeiro trimestre de 2017

O que nos faz sentir bem em relação ao nosso trabalho?

Fala-se muito hoje em dia de motivação, em particular no ambiente empresarial, já que esta tem impacto direto nos resultados. A nível individual, a motivação tem mais impacto no sucesso de uma carreira do que inteligência, capacidade ou salário.

É um tema a que retorno com frequência, apresentado novas perspetivas, histórias, estudos com a intenção de ajudar líderes e indivíduos (sim, porque cada um é responsável pela gestão da sua motivação) a aumentarem a motivação.

Hoje trago uma Ted Talk do economista Dan Ariely (aconselho vivamente a que procure as outras Ted Talks e os seus livros se o tema das ciências comportamentais lhe interessa).

Nesta Ted Talk, intitulada “o que nos faz sentir bem em relação ao nosso trabalho?”, Dan Ariely fala-nos do impacto do sentido de propósito na motivação, em particular a nossa perceção do que o que fazemos é (1) importante/serve para alguma coisa ou que, pelo menos, (2) é reconhecido. É impressionante o impacto até nas situações simples que ele construiu para realizar as suas experiências.

Só que nem sempre conseguimos encontrar esse sentido de propósito maior naquilo que fazemos e não podemos mudar o que fazemos. Nesse caso, uma solução é mudar o modo […]

Como tirar partido da pressão social para irmos na “manada certa”

Hoje quero partilhar uma experiência que vi há pouco tempo e que me impressionou muito por ilustrar o “efeito manada” e como por vezes somos levados a fazer coisas porque…os outros fazem.

A experiência

Uma mulher entra numa sala de espera de um consultório. Quando se ouve um bip, todas as outras pessoas à espera levantam-se da cadeira e voltam-se a sentar. Depois do espanto inicial e da confusão de não perceber o que os outros estavam a fazer, o desconforto social fá-la fazer o mesmo, levantar-se a cada bip, sem perceber porquê.

Mais tarde, depois de todos terem sido chamados para a “consulta”, começaram a chegar outras pessoas e ela, ao continuar a levantar-se a cada bip, conseguiu incutir esse comportamento nos outros.

Conformidade social

O efeito da pressão social leva-nos a comportar de um modo diferente daquele que gostaríamos…mesmo aqueles que acham que não são permeáveis a fazê-lo.

Isto pode-nos levar a ter comportamentos que não nos servem. Por exemplo quando toda a gente reclama de algo, é tão fácil reclamar também! Observo isso no ginásio. Às vezes dou por mim quase a reclamar que é difícil, que é demais, só por ouvir também as outras pessoas.

Por outro lado este efeito pode também […]

Comunicação eficaz, gestão de conflitos e liderança

Muitos dos desafios que a maior parte de nós hoje enfrenta no seu trabalho não estão propriamente relacionados com desafios técnicos mas sim com pessoas.

A comunicação, a capacidade de interacção e criar compromisso, de gerir conflitos e liderar são competências tão essenciais hoje como saber usar um computador. 

Tal como usar um computador, todas estas competências se podem desenvolver. Com este objetivo, há já algum tempo que tenho vindo a trabalhar com a ferramenta DiSC com excelentes resultados, não só em treino individualizado/coaching, como também treinando grupos para:

  • Reconhecerem diferentes perfis de interlocutores e adaptarem, a sua comunicação de um modo mais eficaz;
  • Gerirem conflitos de um modo mais eficaz e aumentarem a sua influência;
  • Melhorarem a eficácia das equipas que lideram (ou onde estão integrados), reconhecendo barreiras ao desempenho, delegando de um modo mais eficaz e tirando partido dos pontos fortes de cada um, tornando-se melhores líderes;
  • Aumentarem o seu desempenho profissional, motivação, produtividade e bem-estar, melhorando várias vertentes da inteligência emocional.

Ultimamente não tenho realizado estes cursos em regime aberto mas vou fazê-lo agora em Novembro, em Lisboa e no Porto.

Se é um tema que lhe interessa e não tem capacidade de realizar este treino na sua […]

Dica para se lembrar dos comportamentos que quer adotar

Alguns dos meus clientes sentem dificuldade em criar ou transformar as rotinas e respostas condicionadas no dia-a-dia. Por exemplo, alguns querem-se focar em estarem mais atentos aos outros, em manterem a calma em situações difíceis, ou coisas tão simples como beberem mais água ou fazerem pausas ao longo do dia.

Até começam o dia cheios de boas intenções mas, quando chegam ao trabalho, as intenções ficam soterradas num monte de emails, solicitações e expetativas. O dia passa e esquecem-se da sua intenção. As semanas passam e as decisões que tomaram ficam esquecidas.

Hoje deixo-lhe uma sugestão para que seja “obrigado” a trazer para o seu consciente a sua intenção. Lembrar-se da sua intenção vai aumentar a probabilidade de encontrar oportunidades para a realizar.

Para aceder ao seu computador ou programas precisa de introduzir uma password? Então, crie uma password que o lembre da sua intenção. Essa password pode ser uma frase quase hipnótica que o programe a concretizar o que deseja.

Por exemplo:

  • se quer beber mais água, crie a password “beberagua”
  • se quer estar mais calmo, crie a password “sempretranquilo”.

Lembre-se de escrever a frase sempre numa forma positiva, que descreva o que quer que aconteça e não o que não quer que aconteça. Por […]