Hoje em dia temos uma lista infindável de ferramentas eletrónicas que prometem mudar a nossa vida e fazer o tempo esticar.

Eu adoro explorar estas ferramentas e reconheço que sem algumas delas a minha vida seria mais difícil.

Observo no entanto que muita gente dá o passo de usar algumas destas ferramentas para pouco depois desistirem porque não lhes resolvem o problema.

Na realidade, o problema não são as ferramentas mas o modo como as usamos. As ferramentas dão-nos uma estrutura mas antes disso precisamos de um processo (organizacional ou individual) para gerirmos o nosso trabalho.

Precisamos também de desenvolver uma mentalidade de melhoria contínua neste campo, ou seja, de estarmos atentos a como melhorar em vez de nos resignarmos às circunstâncias.

Um martelo (ferramenta) é útil e para tirarmos partido do martelo precisamos de saber usá-lo, agarrar no cabo e usar a força adequada.

Mas mais do que isso, precisamos de saber o que estamos a construir e como o vamos fazer.

A competência de usar ferramentas de produtividade é importante mas é provavelmente a parte mais simples.

O que é realmente importante é ter competências de produtividade e a mentalidade da procura da melhoria contínua neste campo.

PS: Se é engenheiro e que treinar tudo isto espreite o curso online “Gestão de tempo para engenheiros” onde já se pode inscrever aqui.